Passar para o Conteúdo Principal
Hoje
Máx C
Mín C
siga-nos

Cerimónia de Entrega de Prémios - 36ª Feira do Fumeiro de Vinhais

Entrega do pr mio 1.  lugar  melhor salpi  o 1 720 2500
07 Fevereiro 2016

A Cerimónia de Entrega de Prémios dos Concursos de Melhor Salpicão e “Sabores Quase Esquecidos, Sabores Quase Perdidos” decorreu hoje, 7 de fevereiro, na 36ª Feira do Fumeiro de Vinhais, presidida por Pedro Marques, Ministro do Planeamento e Infraestruturas. Estiveram também presentes Jorge Gomes, Secretário-Geral da Administração Interna, autarcas de vários locais, vereadores da Câmara Municipal de Vinhais, Presidentes de Junta do concelho de Vinhais, representantes da Assembleia de Freguesias e Assembleia Municipal de Vinhais, entre outras entidades civis, militares e religiosas.
O concurso de Melhor Salpicão de Vinhais distinguiu os dez melhores salpicões do certame: 1.º Classificado – Sílvia Pousa - Vila Boa; 2.º Classificado – Elisia Augusto – Vinhais; 3.º Classificado - Fumituela – Vinhais; 4.º Classificado – Maria Isabel Alves – Paçó; 5.º Classificado – Teresa Lourenço - Nuzedo de Cima; 6.º Classificado – Manuel Pires – Seixas; 7.º Classificado – Francisco Maçaira – Caroceiras; 8.º Classificado – Teresa Gomes – Espinhoso; 9.º Classificado - Ana Maria – Ousilhão e 10.º Classificado - Adelaide Borges – Penso.
Pedro Marques, Ministro do Planeamento e Infraestruturas, deu boas notícias a Vinhais e ao distrito, ao anunciar que foi aprovado no “no Pacto de Coesão e Desenvolvimento Territorial a construção da nova escola de Vinhais, do novo Centro Escolar de Vinhais”. Acrescentando que “a luta da Câmara Municipal de Vinhais, a luta dos habitantes de Vinhais pela nova escola vai agora poder ser realizada”.
O ministro aproveitou para referir outra obra essencial para Vinhais e para o distrito “a possibilidade de avançar com obras de melhoria da estrada nacional 103” referindo que é “uma obra muito difícil, mas que é de justiça que se possa acelerar a ligação a Bragança, que possa ser uma ligação mais segura, mais fluida”. “É justo que assim seja”, remata.